sexta-feira, 31 de janeiro de 2014

Veja o comercial da Skol gravado em Diamantina

Concurso Diamantina 2014 MG – salários de até R$ 2,2 mil

Fonte: Agência Notícias (clique aqui)

A fim de atender as demandas de pessoal, a Prefeitura de Diamantina, município no estado de Minas Gerais, reabriu as inscrições de seu concurso público. O edital nº 01/2012 visa o preenchimento de 82 vagas, mais formação de cadastro de reserva para futuras vagas, em cargos de níveis fundamental, médio/técnico e superior. Os aprovados farão jus a salários que variam entre R$ 724 e R$ 2.231,26, pelo cumprimento de jornadas de 20, 30 e 40 horas semanais, conforme o cargo pretendido.

  As oportunidades de trabalho são para os cargos de médico, assistente social, bibliotecário, bombeiro, psicólogo, calceteiro, contador, enfermeiro II, monitor esportivo, fiscal de tributos, guarda – vidas, mecânico de máquina pesada, técnico de segurança do trabalho, terapeuta ocupacional, motorista de veículo pequeno / leve, motorista de veículo pesado, nutricionista, operador de máquina II, operador de máquina III, porteiro, turismólogo, vigia, entre outras oportunidades.

Os interessados podem optar pela inscrição online, no site da organizadora www.msmconsultoria.com.br ou presencial, na própria Prefeitura Municipal de Diamantina, na será cobrada taxa de participação em valores que oscilam entre R$ 36 a R$ 100, de acordo com o nível de escolaridade.

quarta-feira, 29 de janeiro de 2014

Informativo Gruta do Salitre

 

clip_image002Os principais reparos no percurso de acesso à visitação da Gruta do Salitre foram concluídos. Porém, há muitos pontos que ainda carecem de atenção especial dos visitantes para evitar escorregões e acidentes em trechos de rochas molhadas e transposição de grande alagamento natural que permanecerá por longo tempo mesmo sem chuvas. Portanto, as visitas devem ser feitas somente com o acompanhamento de monitores (jovens de Curralinho), responsáveis pela gestão do local (equipe do Instituto Biotrópicos) ou guias credenciados.

Vale lembrar (conforme último informativo: No 010, 16/12/2013) que as visitas poderão ocorrer em qualquer dia da semana desde que solicitadas com antecedência. As visitas serão agendadas de acordo com as condições climáticas, da inexistência de restrições de acessibilidade e da disponibilidade de monitores. IMPORTANTE: O interesse por visitas aos sábados e domingos também devem ser solicitadas com antecedência, pois é impossível assumir os custos dos monitores no local quando não há visitação no local.

Agradecemos a atenção de todos e o compartilhamento deste comunicado.

Contatos

Segunda a sexta-feira: 38.3531-2197

Celulares: (38) 8844-2838 / 88310633 / 9986-7140

Email: grutadosalitre@biotropicos.org.br

terça-feira, 28 de janeiro de 2014

Nando Reis em Diamantina

Seminário renova vocação do Vale do Jequitinhonha para a cooperação cultural e articulações em rede

Encontro em fevereiro pretende reunir agentes culturais de 40 cidades da região para discutir fortalecimento do trabalho colaborativo e a construção compartilhada de políticas públicas

O Vale do Jequitinhonha se posiciona novamente como um importante pólo de cooperação cultural no estado de Minas Gerais, na segunda quinzena de fevereiro. Um dos mais ricos, diversos e pulsantes centros de produção e reflexão da cultura mineira, a região acolhe entre os dias 21 e 23 de fevereiro o encontro Tecendo a Rede Jequitinhonha Cultural - Seminário de Políticas Culturais do Vale do Jequitinhonha, que espera reunir artistas, agentes culturais, profissionais do setor e gestores públicos e privados de pelo menos 40 cidades.

O objetivo é rearticular o expressivo movimento de valorização cultural da região iniciado em torno do Jornal Geraes, em 1978. Desde então, inúmeras outras ações e entidades se constituíram com finalidade parecida, mas sem uma atuação coordenada, em bloco, que permitisse fortalecer o conjunto dos envolvidos, ajudar a sedimentar o trabalho em rede e fomentar a construção compartilhada de políticas públicas para a área, em conjunto com o poder público municipal, estadual e federal.

A iniciativa é do Valemais - Instituto Sociocultural do Jequitinhonha, em parceria com a Secretaria Municipal de Desenvolvimento Social de Araçuaí. O patrocínio é da Petrobras. A intenção é estruturar uma rede colaborativa a partir de ações de impacto regional, que gere trabalho, renda e permita estruturar um núcleo de articulação, capacitação e promoção permanente do Jequitinhonha.

O seminário integra as comemorações dos 30 anos do show Onhas do Jequi, ação coletiva que daria corpo e visibilidade à produção musical da região, posicionando nacionalmente músicos e autores hoje conhecidos e reconhecidos, como Paulinho Pedra Azul, Saulo Laranjeiras, Rubinho do Vale, Tadeu Martins, Gonzaga Medeiros, Lira e Frei Chico. O evento culmina em março com um show que recompõe esse encontro histórico, em Belo Horizonte.

Tecendo a Rede Jequitinhonha Cultural - Seminário de Políticas Culturais do Vale do Jequitinhonha terá debates, palestras, shows e exposições, distribuídos ao longo dos três dias. A abertura, às 19h do dia 21, no Centro Cultural Luz da Lua, receberá autoridades locais, representantes das universidades federais e de associações de municípios do Baixo, Médio, Alto e da Margem Esquerda do Jequitinhonha.

Em seguida, às 20h, Guilardo Veloso e Vilmar Oliveira, do Valemais, recompõem o histórico de ações colaborativas e participativas da região e apresentam uma proposta preliminar de construção da Rede Jequitinhonha Cultural, em torno de programas como o Viva o Vale.

O evento prevê a participação de representantes do Ministério da Cultura, Funarte, Petrobras, Secretaria de Estado de Cultura, deputados estaduais, prefeitos, vereadores e de secretários e diretores de cultura de cidades da região.

Entre os debatedores, há convidados de instituições culturais respeitadas no estado como a ONG Cresertão, Associação Campo das Vertentes, Associação Quilombola de São Julião, Observatório da Diversidade Cultural, Rede Fora do Eixo e Sociedade Independente da Música. Estarão presentes também algumas das entidades de atuação mais destacada na região, como Fecaje, Casa de Cultura de Capelinha, Centro Cultural Nagô de Araçuaí e Ponto de Cultura do Rubim.

As inscrições são gratuitas e podem ser feitas pela internet, até 10 de fevereiro. As mesas de discussão estão concentradas no sábado, dia 22. E giram em torno dos seguintes temas: "Políticas de Rede e Cultura de Participação" (8h30), “Relato de Experiências” (11h), "Política Nacional de Cultura e Desenvolvimento Cultural Local" (14h), "Manutenção e Financiamento de Redes" (17h30).

Na manhã de domingo, a mesa "Amassando o Barro e Tecendo a Rede Jequitinhonha Cultural" se desdobra em três tópicos: Projetos de Curto, Médio e Longo Prazos, Comunicação da e na Rede e, por fim, Formas de Composição e Coordenação da Rede.

A programação inclui também duas noites de apresentações musicais. As atrações incluem atrações locais e um recital com a cantora Titane e o violeiro Pereira da Viola.

Ao final, os organizadores apresentam publicamente a Carta de Araçuaí, escrita colaborativamente ao longo do evento pelos participantes, com as diretrizes do pacto que está sendo proposto entre os diferentes agentes culturais que atuam na região.

Contexto cultural

Com cerca de 1,2 milhões de habitantes distribuídos por 86 municípios e a estimativa de que haja outras 1 milhão de pessoas de lá sediadas na Região Metropolitana de Belo Horizonte, o Vale do Jequitinhonha ocupa um espaço de enorme relevância no contexto geopolítico do estado, que ainda não se traduz em benefícios proporcionais para a região.

SERVIÇO

O QUÊ?: Tecendo a Rede Jequitinhonha Cultural - Seminário de Políticas Culturais do Vale do Jequitinhonha

QUANDO?: 21 a 23 de fevereiro de 2014

ONDE?: Centro Cultural Luz da Lua (Rua Dom Serafim, 426 - Bairro Esplanada - Araçuaí - Minas Gerais).

QUANTO?: Inscrições gratuitas limitadas a 150 participantes, até 10 de fevereiro, por meio de formulário disponível no evento Tecendo a Rede Jequitinhonha Cultural, no Facebook. Dois terços dos inscritos terão direito a alimentação e hospedagem, mediante seleção.

INFORMAÇÕES AO PÚBLICO:

redejequitinhonhacultural@gmail.com | facebook.com/redejequitinhonhacultural

31 3423-1940 | 31 9208-9537 | 33 3731-4432

Em breve: Grupo Galpão em Diamantina

sexta-feira, 24 de janeiro de 2014

Férias em Diamantina não tem programação cultural

Enquanto isso, em Tiradentes, praças bem cuidadas e lotadas para ver cinema de qualidade.

Mostra de Tiradentes exibe 134 filmes na cidade histórica mineira até 1º de fevereiro

image

Clique aqui e veja os detalhes.

Leia nesta semana na Voz de Diamantina

Capa (42)

OS DIFÍCEIS CAMINHOS DO PÃO RUMO À SUSTENTABILIDADE

A Voz da semana passada destacou o grande esforço do Pão de Santo Antônio em sua marcha rumo à sustentabilidade e republicou a elegante narrativa de Zezé Neves sobre os percalços em sua luta obstinada para criar o asilo a que dedicou a maior parte da vida. A história do Pão sempre foi marcada pela solidariedade. Intrinsecamente ligado à sua missão de origem, esse virtuoso traço de benevolência do diamantinense nunca faltou ao benemérito abrigo em toda a sua longa existência. Daí, certamente, o carinho, a forte ligação e a naturalidade com que aquela bonita fila de casinhas em torno de uma capela se incrusta na moldura de pedras da cidade.

Não me furtarei, entretanto, a afirmar que perversos obstáculos foram interpostos nesta recente, tenaz e necessária busca do equilíbrio entre receitas e despesas, baseada na autossuficiência. Apesar do amadurecido critério do Ministério Público em atenuar os rigores da lei que proíbe construções a menos de 30 metros de cursos d’água, uma vez que as margens do Córrego Quatro Vinténs, um dos limites da gleba do Pão de Santo Antônio, já terem sido inteiramente ocupadas por construções e suas águas transformadas em fétido esgoto, houve por parte do ex-prefeito não reeleito de Três Marias e de Diamantina indisfarçáveis manobras para impedir o empreendimento. Basta dizer que o projeto arquitetônico da obra perambulou pelos meandros politiqueiros da prefeitura por quase dois anos. E, mesmo com cobranças veementes e a imposição drástica do prazo de dez dias, feitas pela Promotoria Pública ao prefeito e a subordinados seus responsáveis pela aprovação de construções, mais um ano foi consumido pelo rancoroso padre na mera iniciativa de simplesmente nomear um grupo para analisar, com poder de veto ou de aprovação, projetos de há muito pendentes.

Início do editorial da Voz de Diamantina - Edição 650, 25 de janeiro de 2014

Assinatura da Voz de Diamantina

Um presente que todo mundo gosta de ganhar

Por apenas R$ 165,00 você recebe 52 exemplares semanalmente durante um ano

Quincas: (38) 3531-3129 e 8824-3584 - vozdediamantina@gmail.com

Aline: (38) 8811-5707 /// Wandeil: (38) 8803-8957

*A partir da tarde das sextas-feiras, o jornal Voz de Diamantina pode ser adquirido nos seguintes locais: Banca de Geraldinho, Canastra Diamantina e Livraria Espaço B

terça-feira, 21 de janeiro de 2014

Projeto Transver na programação da II Mostra pelos Vales

Convite Casa da Chica 2014

O Projeto TRANSVER nasceu de uma parceria do Instituto Biotrópicos com a UFVJM e a Sociedade Protetora da Infância de Diamantina. Nos últimos meses, o TRANSVER ofertou oficinas de vídeo para jovens assistidos pela VEM (Vila Educacional de Meninas) e AJIR (Amparo a Juventude para Inserção Rápida). Nas oficinas, os jovens aprenderam a manusear equipamentos digitais de registro audiovisual, formularam o entendimento do processo de realização de um filme, e, sempre tendo como referência temática as questões locais, construíram e realizaram roteiros.

O TRANSVER parte da premissa de que o audiovisual desperta reflexões coletivas sobre assuntos de relevância artística ou social e que o próprio exercício de pensar sobre um tema e a sua abordagem, assim como sobre o planejamento da produção, já oferecem possibilidades de aprendizagem.

Prestes a completar seu primeiro ano, o TRANSVER  tem em seu acervo um vídeo com a história da VEM e outro sobre a AJIR, nos quais são os próprios jovens assistidos os protagonistas, diretores, operadores e editores. O acervo conta também com um grande número de belas fotografias que mostram “por trás das câmeras” o caminhar de todo o processo.

Nesta 2ª edição da Mostra pelos Vales, o TRANSVER irá expor sua história em fotos e vídeos.

Equipe:

Maíra Figueiredo Goulart  (Coordenadora)

Tatiana Teles

Michel Becheleni

Ariana Amorim

Marco Túlio Becheleni

Apoio financeiro:

PROCARTE - PROEXC/UFVJM

II Mostra pelos Vales da UFVJM

II Mostra pelos Vales

A segunda edição do evento “Mostra pelos Vales” é uma realização do programa de extensão "Telas e Textos", da Pró-Reitoria de Extensão e Cultura (Proexc), em parceria com os Cursos de Letras da Faculdade Interdisciplinar em Humanidades (FIH) da UFVJM.

O evento tem por objetivo mostrar os trabalhos artísticos da comunidade discente e docente da UFVJM, além de incentivar e estimular, por meio dessa aproximação a materiais artísticos diversos, produzidos em nosso meio cultural, a visão múltipla (interdisciplinar e crítica), a sensibilidade, a imaginação e a criatividade dos envolvidos, tornando-os mais capazes de observar, avaliar, discutir e pensar sobre as diversas perspectivas e produções estéticas, poéticas, plásticas e culturais do mundo contemporâneo, especialmente em sua dimensão local.

Clique aqui para acessar o blog do evento.

domingo, 19 de janeiro de 2014

Processo seletivo na Santa Casa de Caridade de Diamantina

Está aberto Processo Seletivo para classificação de Psicólogo na Santa Casa de Caridade de Diamantina (inscrições de 20 a 24 de janeiro), o edital pode ser acessado através do site www.santacasadediamantina.com.br ou na própria instituição.

sábado, 18 de janeiro de 2014

UFVJM é a mais concorrida no Sisu

Fonte: Estado de Minas

Universidades do interior superam instituições como UFMG na procura por vagas pelo Sisu

A abrangência nacional do Sistema de Seleção Unificada (Sisu) inflou não apenas a disputa na Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) mas também acirrou a concorrência nos câmpus do interior do estado. Com aumento na quantidade de inscritos na maioria das instituições, algumas delas viram a procura quase quadruplicar, ao mesmo tempo em que outras tiveram queda expressiva na busca por cursos de décadas de tradição. De forma geral, a Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri (UFVJM) foi a mais concorrida do estado, com 38,06 candidatos na busca por uma das vagas. Já o curso com a maior disputa foi medicina da Universidade Federal de São João del-Rei (UFSJ). Ofertado pela primeira vez no Campo das Vertentes, teve 153,69 candidatos por vaga e desbancou inclusive o mais almejado da UFMG – administração, que registrou 134,92 estudantes em busca da mesma cadeira.

Clique aqui e leia a reprtagem completa.

sexta-feira, 17 de janeiro de 2014

Artigo é leitura obrigatória para entender a Vesperata de Diamantina

 

O Anjo da Meia Noite e as Vesperatas em Diamantina: tensões na produção de uma manifestação cultural

Autora: Leila Dias Pereira do Amaral
O presente trabalho procurará apresentar e discutir as tensões que envolvem a organização, a execução e a (des)continuidade de uma forma de expressão musical, as Vesperatas em Diamantina, percebendo-a como uma manifestação cultural expressiva, que reforça e atualiza práticas sociais e se insere, portanto, nas discussões sobre o patrimônio cultural, observando sua relação com outras dimensões da vida social, como a economia, a política e o turismo. A proposta é pensar essa manifestação cultural enquanto uma arena política, na qual ocorrem relações de conflito e cooperação, de modo a configurar uma organização social específica, singular. Assim, é possível situar o debate sobre o patrimônio cultural em Diamantina, atualizando-o, levando em consideração as discussões recentes sobre tradição e modernidade e, consequentemente, sobre a relação passado e futuro, história e memória, cultura e consumo, patrimônio e turismo.

Clique aqui para ler o artigo completo.

Região de Diamantina já foi um grande deserto

Fonte: Revista Ciência Hoje

Era uma vez um deserto

Montanhas verdejantes da região mineira de Diamantina já foram o lugar de um grande deserto na pré-história. A constatação veio da análise de rochas sedimentares de aproximadamente 1,8 bilhões de anos.

Mesmo em um período sem vida inteligente na Terra, a natureza deu um jeito de registrar a história por meio das diferentes formas geométricas e minerais das rochas. A partir da análise desses elementos, o geólogo Fábio Simplicio, da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), descobriu que Diamantina, em Minas Gerais, já foi um grande deserto há cerca de 1,8 bilhões de anos.

A conclusão veio do estudo das formações de arenito existentes na área rural da cidade. Ao consultar trabalhos de outros pesquisadores sobre a datação das rochas, Simplicio verificou que elas se formaram antes de a vegetação terrestre surgir no planeta, o que só ocorreu por volta de 440 milhões de anos atrás.

Clique aqui para ler a reportagem completa.

quinta-feira, 16 de janeiro de 2014

Incêndio danifica fachada da Casa JK, em Diamantina

Fonte: Jornal Estado de Minas (clique para saber mais)

Parte da fachada do Acervo Cultural Casa de Juscelino Kubitschek, a Casa JK, foi danificada por um incêndio na madrugada desta quinta-feira em Diamantina, no Vale do Jequitinhonha. O incêndio pode ter sido criminoso.
Bombeiros do 7º Batalhão foram acionados pouco depois da meia noite para combater as chamas que atingiu o imóvel, que ficam a Avenida São Francisco, Centro da cidade. A ação rápida dos militares impediu que o fogo se espalhasse.

egundo a corporação, o incêndio atingiu somente a fachada da casa, causando o derretimento de parte da pintura da porta e de duas janelas, além de chamuscar a parte da frente do imóvel. Testemunhas disseram aos bombeiros que o fogo teria sido causado pela ação de vândalos. Ninguém ficou ferido.

O imóvel abriga um museu que expõe fotos e objetos da família do ex-presidente brasileiro. A construção do século 18 fica em uma área tombada pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan). A família Kubitschek viveu no local entre 1907 e 1920.

terça-feira, 14 de janeiro de 2014

Concurso para cargos técnicos e administrativos da UFVJM é anulado

O Diário Oficial da União publicou hoje a anulação de provas dos cargos da carreira técnico e administrativa da UFVJM aplicadas no dia 22/12/2013, exclusivamente no campus JK, em Diamantina.

Clique aqui para ler sobre a anulação no Diário Oficial da União.

segunda-feira, 13 de janeiro de 2014

domingo, 12 de janeiro de 2014

Por que a gasolina é tão cara em Diamantina?

Andei por aí durante as férias. Diferentes estados, várias regiões e dezenas de cidade desse nosso Brasil. Fui de carro, abasteci em vários postos e como consumidor fiquei de olho no preço do combustível. Uma coisa me chamou a atenção: por que o preço do combustível nos postos de Diamantina são tão altos? Rodei mais de 3.000 km e aqui encontrei o mais alto preço do litro de gasolina.  Seja em cidades mais distantes das grandes capitais, vilarejos de difícl acesso ou locais de maior movimento turístico, o preço da gasolina éncontrado é sempre menor que o praticado em nossa cidade. Qual a explicação coerente que justifique este fato?

Revolução digital na palma da mão

Revolução digitalPesquisas recentes apontam que 40% dos celulares no Brasil são smartphones, algo perto de 70 milhões de aparelhos, é o que reportou o Fantástico no último domingo (5/01). A população, a cada dia, se emaranha mais e mais na grande rede mundial de computadores, em especial nas redes sociais.

Vários países mostraram ao mundo o poder dessa ferramenta quando conectada à internet, exemplo da primavera árabe, a onda revolucionária de manifestações e protestos que vêm ocorrendo no Oriente Médio e no Norte da África desde 2010, graças ao potencial de comunicação e mobilização promovido principalmente pelos aparelhos smartphones.

Alguns toques na tela para abrir várias oportunidades e possibilidades. Clique aqui e ali para capturar vídeo, foto e áudio. Deslize o dedo na tela e espalhe suas ideias e desejos. Grite para o mundo! Assim se configura o século XXI.

Há algum tempo conheci uma plataforma web fantástica chamada URBOTIP, um site/aplicativo de contribuição coletiva para melhorar a vida na cidade. O lema do URBOTIP é: “Vamos criar um mundo melhor!”.

Entendo que com a força coletiva é possível promover a mudança que queremos. É preciso criticar, apontar e cobrar dos nossos representantes, porém é vital proceder com inteligência. Cada poder (legislativo, executivo e judiciário) tem a sua missão e responsabilidade; não adianta brigar com o padeiro porque o pneu do seu carro furou. Isso é desperdício de tempo. Sejamos objetivos!

Vamos lançar mão da tecnologia e das facilidades proporcionadas pela internet. Para mudar e avançar é preciso pensar positivo e agir com honestidade. Apontando as demandas aos órgãos competentes, estaremos desempenhando o verdadeiro papel de cidadão, de pessoas que se preocupam com a coletividade e com a evolução efetiva da sociedade.

Ao poder público, torço que compre essa ideia. Conclame a participação popular, ação imprescindível para que os serviços públicos possam melhorar. Vivemos em um momento que não tem como recuar, a transparência pública é uma exigência legal e, principalmente, uma obrigação moral que veio para diferenciar o gestor preparado e o político competente dos amadores e oportunistas politiqueiros.

Eu estou fazendo a minha parte. Vamos criar um mundo melhor? Invista um pouquinho do seu tempo e conheça o URBOTIP. Assista ao vídeo que explica a ideia do aplicativo e espalhe essa ideia em sua rede.

Vídeo: http://www.youtube.com/watch?v=WgP5LMGhYbU

Site: http://www.urbotip.com

Autor: Ricardo Maciel - Diamantinense formado em Jornalismo, pós-graduado em jornalismo político, membro da Associação Brasileira de Consultores Políticos – ABCOP e sócio proprietário da Ultra Comunicação.

Leia nesta semana na Voz de Diamantina

Capa (41)Há poucos anos, o velho e bonito muro de adobe da Santa Casa foi restaurado. O que causou muita alegria. Já bastante torto e escorado por peças de madeira, aquela preciosa marca do passado não tardaria a desabar. Em fidedignidade à sua reconstrução, operários da região que ainda sabiam lidar com aquele tipo de material foram contratados para fabricar adobes, assentá-los e sobrepor-lhes a fieira de pedras que os protegia das chuvas, num admirável trabalho artesanal custeado pelos parcos recursos da centenária instituição. Tão exemplar ato de consciência patrimonial foi a última das muitas e marcantes atuações comunitárias de Wálter José de Souza, o sempre disponível e dedicado Waltinho, então provedor da Santa Casa: Deus permitiu-lhe concluir a empreitada e o chamou ao Reino dos Céus.

Nada, porém, como o florescer da consciência de que a construção de instituições, de cidades e de regiões é um ato de cidadania. Por trás do muro restaurado por Waltinho, degradava-se o imponente prédio do primeiro hospício de Minas. O deplorável estado daquela raridade arquitetônica entristecia o diamantinense. Que evitava passar na Rua da Caridade, desgostoso por não ter condições para salvar das ruínas tão significativo patrimônio. Ainda enlutado com a perda do diligente provedor, seu vice e demais pares da Mesa Administrativa da Santa Casa enfrentaram de peito aberto a urgente restauração, cientes de que não havia tempo a perder: o arruinado sobrado não resistiria às chuvas de fim de ano e desapareceria inexoravelmente.

Início do editorial da Voz de Diamantina - Edição 647, 04 de janeiro de 2014

Assinatura da Voz de Diamantina

Um presente que todo mundo gosta de ganhar

Por apenas R$ 165,00 você recebe 52 exemplares semanalmente durante um ano

Quincas: (38) 3531-3129 e 8824-3584 - vozdediamantina@gmail.com

Aline: (38) 8811-5707 /// Wandeil: (38) 8803-8957

*A partir da tarde das sextas-feiras, o jornal Voz de Diamantina pode ser adquirido nos seguintes locais: Banca de Geraldinho, Canastra Diamantina e Livraria Espaço B

A identidade pelo trabalho: A fotografia de Assis Horta

Fonte: Vermalho

clt - exposiçãoA carteira profissional trouxe mais do que uma formalização para o emprego no Brasil. Criou uma identidade para o trabalhador. Para muitos, foi o primeiro registro de sua imagem: o artigo 16 da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), de 1º de maio de 1943, determinava que a carteira deveria contemplar, entre outros itens, uma "fotografia, de frente, modelo 3 x 4". Pioneiro nesse registro, Assis Horta, hoje com 95 anos, fez nos anos 1940 centenas de retratos de trabalhadores.

Em 2012, Assis Horta foi tema de um filme de curta-metragem produzido pelas Nitro Imagens em parceria com a Alicate: O Guardião da Memória. “Ele saiu desse formato de fotógrafo de estúdio. Foi para a rua”, diz, no curta, o também fotógrafo Eustáquio Neves. “Você conhece uma sociedade por aquele conjunto de imagens”, comenta a diretora do Museu do Diamante, Lílian Oliveira. Criado em 1954, o museu fica em Diamantina (MG), terra natal de Assis e do presidente Juscelino Kubitschek. Em 1936, o fotógrafo comprou a loja que era do chefe e criou a Photo Assis, que funcionou até 1967, quando ele se mudou para Belo Horizonte.

Clique aqui para ler o texto completo.

quinta-feira, 2 de janeiro de 2014

Leia nesta semana na Voz de Diamantina

Capa (40)Ao mesmo tempo em que o relógio soava as 12 últimas badaladas do ano, clarões espocavam em vários pontos da cidade. Coloridos relâmpagos pirotécnicos se misturavam à chuva que saudava os primeiros momentos de 2014, como a fertilizar as sementes de alegria, de afeição e de bênçãos que o diamantinense pedia para si e desejava aos parentes, amigos e conhecidos no nascer do Dia da Fraternidade Universal. Enquanto rendia graças por mais um ano de vida, pedi aos céus em singela e muda oração que novas e promissoras perspectivas se abrissem para esta cidade que tanto amamos e para sua risonha, descontraída e ingênua população.

A turvar-me a leveza de pensamentos, veio-me à lembrança um texto publicado no Facebook, cujo título - “Nota de Esclarecimento e Desabafo e Indignação” - mal esconde a premeditação de, a um só tempo, explicar a injustificável posição de seu autor e mostrá-lo como intransigente defensor do funcionalismo municipal. Ao estribar-se no frágil argumento de direito adquirido há 21 anos, o palavroso vereador Wanderlei Manoel Alves tenta pôr acima da Constituição frágeis normas do Regimento da Câmara Municipal. Sua equivocada defesa de descontos no IPTU do funcionalismo é de incoerência monumental, uma vez que ele ocupa a presidência da Comissão de Legislação, Justiça e Redação Final, é favorecido por esta anômala renúncia tributária, na condição de servidor público licenciado e, como seus pares de vereança, soma à legal, mas imoral verba indenizatória, mais esse agrado populista.

Início do editorial da Voz de Diamantina - Edição 647, 04 de janeiro de 2014

Assinatura da Voz de Diamantina

Um presente que todo mundo gosta de ganhar

Por apenas R$ 165,00 você recebe 52 exemplares semanalmente durante um ano

Quincas: (38) 3531-3129 e 8824-3584 - vozdediamantina@gmail.com

Aline: (38) 8811-5707 /// Wandeil: (38) 8803-8957

*A partir da tarde das sextas-feiras, o jornal Voz de Diamantina pode ser adquirido nos seguintes locais: Banca de Geraldinho, Canastra Diamantina e Livraria Espaço B